SAC 11 5678-2326 |

perigot@perigot.com.br

Category Archives: Blog

Os cães sabem que horas são? Sim, pelo nariz!

Os cães sabem que horas são? Sim, pelo nariz!

Existem muitas teorias sobre como os cães entendem o tempo. Alguns dizem que eles não têm percepção disso, enquanto outros acreditam que eles se sentem mais sozinhos quando não estamos juntos. Um novo estudo diz que os cães podem identificar as horas pelo nariz.

Seu cachorro está sempre sentado na porta quando você chega. Ele parece saber que horas são. Ele vai acordar você segundos antes do seu alarme disparar… será que eles sabem que horas são? Tudo parece indicar que sim. Mas vamos ver o que é verdadeiro nisso.

Os cães sabem as horas pelo nariz

Se você vive com mais alguém em casa e está com seu cachorro à espera da outra pessoa, pode ver como ele começa a ficar nervoso quando se aproxima do momento da chegada. Parece saber a hora que é.

Segundo os cientistas, cada momento do dia tem um cheiro diferente e o focinho do cão pode diferenciá-los pelo ar. Então, na realidade, em vez de dizer que os cães conhecem as horas pelo o nariz, devemos dizer que eles podem sentir o cheiro das horas.

 O focinho de um cachorro tem muito mais células olfativas do que os nossos. Portanto, sua sensibilidade olfativa é muito superior. Na verdade, graças ao seu olfato, eles são capazes de detectar câncer e outras doenças mesmo antes de seu dono perceber que algo não vai bem com sua saúde.

Eles têm cerca de 220 milhões dessas células e também uma grande variedade delas. É por isso que são capazes de capturar informações muito mais complexas do que poderíamos entender.

Além disso, seu nariz funciona em estéreo. Ou seja, cada um dos seus orifícios é independente do outro, eles têm a capacidade de cheirar dois odores diferentes e assimilá-los.

Por outro lado, eles gozam de memória olfativa. Ou seja, eles cheiram e são capazes de memorizar as circunstâncias e o momento em que o fizeram. Com isso, eles podem relacionar os cheiros e saber onde ou a que horas eles vêm.

Como o tempo cheira?

Durante o dia, os quartos e os lugares mudam de cheiro. Isso acontece porque o ar quente tende a subir e permeia as paredes com seu cheiro, enquanto que o ar frio, que permanece acima, o substitui, alterando seu aroma.

Se pudéssemos ver esse processo, poderíamos distinguir a hora que é sem olhar para um relógio.

Os cães não conseguem vê-lo, mas cheirá-lo. E eles sabem como reconhecer os odores, uma vez que um novo aroma, produzido há menos tempo, é mais intenso que um produzido há mais tempo.

Então, em muitas ocasiões, antes de passarmos pela esquina, nosso cachorro já está na varanda. E isso porque o vento leva nosso cheiro e o cheiro da rua, e ele sabe que é hora de recebê-lo latindo como doido.

A verdade é que, pouco a pouco, estamos aprendendo cada vez mais sobre o melhor amigo do homem. Eles são tão iguais e ao mesmo tempo tão diferentes de nós, que esse tipo de curiosidade nos ajuda a coexistir com nossos animais de estimação de forma ainda mais harmônica.

Agora você sabe por que seu cão sabe que você está voltando para casa, mesmo que tente não fazer barulho para surpreendê-lo, ou por que ele o desperta em um certo momento da manhã.

Lembre-se de que ele o sente pelo olfato, mas que poderia optar por nem se mexer quando sabe a hora que é. No entanto, ele quer vir te receber, para te lamber, para te amar.

Fonte

Nós amamos o seu Pet, por isso temos os melhores produtos. Conheça nosso portfólio e entre em contato com nossos distribuidores.

VEJA MAIS
Por que meu gato me lambe?

Por que meu gato me lambe?

Os felinos são seres maravilhosos e surpreendentes. Embora muitos digam que são animais de estimação muito independentes, eles também são carinhosos e adoram passar o tempo com seus donos. A demonstração de carinho de nosso amigo de quatro patas pode chamar nossa atenção… especialmente por causa da textura de sua língua. Neste artigo, contamos  por que seu gato te lambe.

O idioma dos gatos

Se o seu gato te lambe com frequência, você provavelmente se perguntará os motivos que o levam a agir desse jeito. Existem diferentes razões e aqui nós contamos:

1. Como meio de ligação social

Os gatos não só se “arrumam”, mas também arrumam os outros. Como há certas áreas que são um tanto complicadas para “chegar” por mais contorcionista que seja, sempre precisam da ajuda de outro felino (mãe, irmãos, o que for) para cumprir a higiene pessoal.

 Isso não significa que seu gato ache que você está sujo e, portanto, lambe você, mas é uma maneira de se conectar com você trocando odores.

2. Como forma de expressar seu carinho

O idioma dos gatos não é o mesmo que o idioma das pessoas e isso não é preciso dizer. Então, como ele diz que te ama? Lambendo você! Para ele, você é sua família e, por essa razão, ele faz o mesmo que a mãe fazia quando ele era um bebê. Dessa forma, mostra seu amor e também que está ao seu lado. Além disso, pode ser uma maneira de fazer um elogio ao expressar que se sente seguro em sua presença.

3. Como um Redutor de Ansiedade

Se você vê seu gato se lambendo compulsivamente (até se machucar), talvez seja porque ele está passando por um momento de grande estresse ou ansiedade. Se tiver esses sintomas, pode querer lamber ou sugar outras superfícies e objetos, como tecido, plásticos, brinquedos, etc. Isso alivia sua tensões.

4. Como uma brincadeira

Brincar com o nosso animal de estimação é realmente bonito. Para os gatos, lamber seus pares lhes lembra a infância, quando ainda não haviam se separado de seus irmãos e de sua mãe. Este vínculo que ele criou com você não deve ser cortado. É por isso que se ele te lambe no meio da brincadeira, deixe-o fazer isso. Ele está dizendo que está se divertindo muito! Lembre-se de que os elementos químicos que solta durante a brincadeira permitem que relaxe e fique confortável.

5. Como delimitação territorial

Os gatos são muito territoriais. Eles tentam deixar sua marca para que todos saibam que ele vive lá. Ele até considera que você é sua propriedade e é por isso que ele lambe você. As partículas que expulsam através da saliva são fixadas em você e então você já está “marcado”.

6. Como intercâmbio de cheiros

Se teu gatinho ultimamente está um tanto obcecado lambendo seus dedos e mãos, é porque talvez você tenha manipulado objetos que chamem sua atenção. É normal que ele queira lamber depois de você cozinhar, trabalhar com plantas ou certos itens.

Meu gato me lambe: o que fazer?

Se você tem um gato brincalhão, é provável que ele primeiro lamba e depois morda você. Esse comportamento não é para puni-lo, claro que não… já que para eles é uma brincadeira, uma diversão simples, ele não faz isso com maldade, e claro que as mordidas devem ser suaves.

Caso contrário, você deve ensiná-lo a não fazê-lo. Preste atenção se ele morde muito e se seu pelo está eriçado, porque isso é um sinal de que algo não vai bem ou que ele está tendo um comportamento agressivo que deve ser eliminado.

Seja paciente com seu gatinho, se ele foi recentemente separado de sua mãe e o adotou como protetor, porque ele vai te lamber todo o tempo. O mesmo acontece se é uma mãe que já teve vários filhotes e já foi adotada por outras famílias.

Além de qualquer explicação, se o seu gato te lamber, você deve considerá-lo um gesto de amor e amor sem igual. Isso significa que ele tem uma boa conexão com você e que ele te ama muito.

Fonte

Nós amamos o seu Pet, por isso temos os melhores produtos. Conheça nossa loja.

VEJA MAIS
Raiva em cães e gatos

Raiva em cães e gatos

A raiva é uma doença infecciosa causada por um vírus, que compromete o Sistema Nervoso Central (SNC). Pode acometer todas as espécies de mamíferos, incluindo o homem, com 100% de letalidade.

  • Década de 90: 73 ocorrências no Brasil.
  • Entre 2010 e 2015: 17 casos no Brasil.

A mobilização mundial de combate à raiva estabeleceu o ano de 2030 como meta para o fim das mortes causadas pela doença (OMS, OIRE, FAO).

Formas de transmissão da raiva para o homem

Em 95% dos casos humanos, ocorre por mordedura de cachorros infectados (a saliva contaminada com o vírus que é introduzida no corpo da pessoa).

A raiva também pode ser transmitida se houver contato direto da saliva do animal com os olhos, mucosas ou feridas, bem como lambeduras ou arranhões de animais doentes.

A lambedura de pele com ferimento já existente ou de mucosa mesmo íntegra também.

A lambedura de mucosas (boca, narinas e olhos), por estas serem mais finas e friáveis que a pele, pode propiciar a introdução do vírus da raiva.

A arranhadura por unha de gato, que tem o hábito de se lamber, pode ser profunda, introduzindo o vírus.

Existem diversas formas de transmissão da raiva.

Formas de transmissão da raiva para cães e gatos

Os principais transmissores para os cães e gatos são os animais silvestres. Como morcegos, gambás e macacos, que contaminam cachorros, gatos e humanos de forma acidental.

O contágio ocorre por meio da troca de secreções, contato sanguíneo ou mordida.

O vírus se multiplica e atinge o sistema nervoso, alcançando, em seguida, outros órgãos e glândulas salivares. Onde se replica, e, em poucos dias, o animal vai a óbito.

Sinais da raiva em cães e gatos:

Raiva canina:

O período de incubação é, em geral, de 15 dias a dois meses. Na fase inicial, os animais apresentam mudança de comportamento, escondem-se em locais escuros ou mostram uma agitação inusitada. Após 1 a 3 dias, ficam acentuados os sintomas de excitação. O cão se torna agressivo, com tendência a morder objetos, outros animais, e inclusive o seu tutor, e morde-se a si mesmo. Muitas vezes provocando graves ferimentos. A salivação torna-se abundante, uma vez que o animal é incapaz de deglutir sua saliva, em virtude da paralisia dos músculos da deglutição. Há alteração do seu latido, que se torna rouco ou bitonal, em virtude da paralisia parcial das cordas vocais. Os cães infectados pelo vírus rábico têm propensão de abandonar suas casas e percorrer grandes distâncias, durante a qual podem atacar outros animais, disseminando, desta maneira, a raiva.

Raiva felina:

Na maioria das vezes a doença é do tipo furioso, com sintomatologia semelhante à raiva canina.

 

 

A raiva felina é semelhante à canina.

 

A raiva canina e felina é considerada incurável, por isso é essencial a prevenção por meio da vacina e alguns cuidados:

  • Agosto é o mês de campanha de vacinação da raiva. Existem campanhas de vacinação gratuitas o ano todo, mas há ênfase nesse período.
  • Vacinação anual obrigatória para cães e gatos: a partir do terceiro mês de vida.
  • Os sites das prefeituras mostram onde encontrar os locais de vacinação gratuita na sua cidade!

Cuidados com seus pets:

  • Não deixar o cão solto, e sempre passear com guia.
  • Não “provocar” cães ou mexer quando está dormindo ou comendo.
  • Não separar brigas com o corpo (opte por água, gritos, sons, jogar pano/roupa…)

O que fazer quando agredido por um animal, mesmo se ele estiver vacinado contra a raiva:

  • Lavar imediatamente o ferimento com água e sabão.
  • Procurar com urgência o Serviço de Saúde mais próximo.
  • Não sacrificar o animal, e sim deixá-lo em observação durante 10 dias, para que se possa identificar qualquer sinal indicativo da raiva.
  • O animal deverá receber água e alimentação normalmente, num local seguro, para que não possa fugir ou atacar outras pessoas ou animais.
  • Se o animal adoecer, morrer, desaparecer ou mudar de comportamento, voltar imediatamente ao Serviço de Saúde.
  • Nunca interromper o tratamento preventivo sem ordens médicas.

 

Quando um animal apresentar comportamento diferente, mesmo que ele não tenha agredido ninguém, não o sacrifique e procure o Serviço de Saúde.

Para saber a data em que a campanha de vacinação será realizada em seu estado, basta ligar para o Disque-Saúde no 0800 61 19 97 ou acessar o site do Ministério da Saúde no endereço www.saude.gov.br

Fonte

Nós amamos o seu Pet, por isso temos os melhores produtos. Conheça nossa loja.

VEJA MAIS
Por que os cachorros cheiram mais algumas pessoas do que outras

Por que os cachorros cheiram mais algumas pessoas do que outras

Os cães adoram cheirar tudo e todos, não é mesmo? Mas você já deve ter reparado que algumas pessoas despertam bem mais o interesse olfativo do seu cachorro do que outras. Você já se perguntou qual a razão disso?

Como os cães não conseguem conversar e perguntar coisas como os humanos, é cheirando que eles dizem “oi” e é através do cheiro que eles conhecem e se “informam” sobre os humanos, principalmente aqueles que eles acabaram de conhecer. Além disso, alguns cheiros são bem mais interessantes do que outros para os animais, e é isso que vai despertar o interesse do cão em cheirar as pessoas ou não.

(Foto: Reprodução / Good Net)

Através do cheiro, os cachorros conseguem saber o que o humano comeu, se ele tem outros animais em casa e por aí vai. Então, dependendo dos hábitos do humano, ele vai ser muito mais interessante de se cheirar do que outra pessoa.

Os cães conseguem perceber quando uma pessoa está com medo dele ou desconfortável com a sua presença. O medo pode fazer com que a pessoa passe a transpirar mais e esse cheiro pode acabar chamando a atenção do cachorro, quando o que a pessoa mais quer é distância. Por isso é essencial ficar tranquilo na presença de animais se você tem medo deles, isso vai ajudar com que você não chame a atenção do cão.

(Foto: Reprodução / National Geographic / AP Photo / Matt Rourke)

Outro motivo que pode fazer os cães cheirarem mais algumas pessoas é o fato de o animal estar se sentindo feliz. Nós ficamos bem animados ao recebermos visitas em nossas casas, principalmente quando chega alguém de quem gostamos muito.

O mesmo acontece com os cães. Se você tem um amigo que sempre brinca com seu cão e outro que não dá muita bola para o animal, o cachorro, provavelmente, vai ficar muito mais animado e vai passar mais tempo cheirando o amigo que brinca com ele.

 

Fonte

 

Nós amamos o seu Pet, por isso temos os melhores produtos. Conheça nossa loja.

VEJA MAIS
Por que os cachorros gostam de lamber as patas

Por que os cachorros gostam de lamber as patas

Você já deve ter reparado no quanto o seu cão adora lamber as patas. Esse comportamento é bastante visto entre cachorros. Alguns lambem as patas, ou uma específica de ficar mais delicada, outros lambem de forma mais forte e chegam até a morder. Mas, você sabe o que motiva os cães a fazerem isso?

Existem várias razões que podem estar fazendo o seu cão lamber ou morder a pata, alguma mais simples e outras mais graves.

Machucados nos dedos ou almofadas, unhas ou ossos fraturados, queimaduras, farpas e outros corpos estranhos que podem acabar furando ou se alojando entre os dedos, como carrapatos, são alguns dos motivos que fazem os cães lamberem as patas.

Entre as causas mais graves estão os cistos, tumores e outros tipos de câncer, doenças alérgicas e até doenças autoimunes.

Muitos cães costumam ter doenças alérgicas de pele e essa é a razão mais comum para os cachorros lamberem e até morderem as patas de forma crônica. Entre essas alergias, as alimentares são as mais típicas, porém as bactérias e os fungos podem agravar o caso.

Alguns cães começam lamber as patas por conta de uma simples coceira, mas o hábito pode desencadear um comportamento obsessivo, além de grandes feridas nas patas, de tanto lamber e morder.

É preciso ficar bastante atento para encontrar a causa para que ela seja tratada. Quando começar a perceber esse comportamento no seu animal, leve-o ao veterinário, pois a maioria das razões que levam os cães a lamberem as patas de forma excessiva é tratável.

É essencial sempre informar ao veterinário sobre esse comportamento do animal, principalmente se isso ocorrer repentinamente, persistir por longos períodos de tempo e apresentar vermelhidão, inchaço, odor, sangramento, se o animal começar a mancar ou mostrar outros possíveis sinais de dor e infecção.

Fonte: http://portaldodog.com.br/cachorros/curiosidades/por-que-os-cachorros-gostam-de-lamber-as-patas/

 

Nós amamos o seu Pet, por isso temos os melhores produtos. Conheça nossa loja.

VEJA MAIS
Como os cães escolhem o seu humano preferido

Como os cães escolhem o seu humano preferido

Muita gente pensa que os cães escolhem seus humanos preferidos de acordo com a quantidade de comida e de tempo que cada pessoa dá ao animal. Mas a preferência dos cachorros pode ser um pouco mais complexa.

Apesar de tempo e alimentação serem bem importantes, existem vários outros fatores que podem influenciar a decisão dos cachorros sobre quem é o seu humano favorito na casa.

Um dos pontos mais importantes e que vai fazer com que o animal desenvolva laços bem fortes com o ser humano é a interação e socialização com o animal nos primeiros meses de vida ou quando ele chega em seu novo lar.

Até os seis meses de vida, os cérebros dos filhotes de cachorro são muito receptivos, então as experiências sociais que eles têm podem influenciar pelo resto de suas vidas. Por isso é tão importante nesse período que o cão tenha uma grande diversidade de interações positivas com uma grande variedade de pessoas, lugares e coisas.

Por exemplo, se durante esse período o cãozinho for criado apenas por mulheres ou tiver uma interação bem maior com humanos do sexo feminino, eles ficarão bem mais confortáveis na presença de mulheres e poderão não se dar tão bem com homens. Isso pode explicar, inclusive, o comportamento de cães que são adotados já mais velhos.

É preciso passar um tempo com os cães, mas um tempo de qualidade, realmente interagindo com eles. (Foto: Reprodução / Petplan)

Porém, nunca é tarde para começar a socializar seu cãozinho. Quanto mais experiências eles e quanto mais pessoas eles conhecerem, será mais fácil ele se dar bem com novos humanos e fazer amigos.

Se você alimentar o cão, mas não oferecer para ele carinho e nem um tempo de qualidade para ficar com ele, o cão poderá trocá-lo facilmente por outro humano que goste de brincar e dar mais atenção para o animal. Atenção e carinho são coisas muito valorizadas pelos animais e que ajudam a estreitar os laços com seu humano.

Conversar com os cães faz bem tanto para eles quanto para os humanos. (Foto: Reprodução / Disneybabble)

Além disso, o cão pode associar a presença de certo humano com coisas divertidas e felizes, por isso é tão importante dar ao seu animal um tempo de qualidade. Não adianta ficar ao lado dele enquanto resolve coisas ao celular ou computador, os animais precisam de atenção. Brinque com seu cão, passeie com ele e converse.

 

Fonte: http://portaldodog.com.br/cachorros/curiosidades/como-os-caes-escolhem-o-seu-humano-preferido/

 

Nós amamos o seu Pet, por isso temos os melhores produtos. Conheça nossa loja.

VEJA MAIS
Jovens adultos da geração Y estão escolhendo suas casas pensando no bem-estar de seus animais

Jovens adultos da geração Y estão escolhendo suas casas pensando no bem-estar de seus animais

Já se sabe que os jovens adultos que fazem parte da geração Y, hoje com idade em torno de 30 anos, estão demorando um pouco mais para ter seus filhos, priorizando suas carreiras.

Além disso, os animais de estimação estão ocupando cada vez mais espaço nas vidas dessas pessoas, que também são mais preocupadas com o bem-estar animal. Pesquisas já mostram que no Brasil, o número de famílias que criam cachorros já é maior do que o de famílias que têm crianças.

Em consequência disso, esses jovens adultos da geração Y, também conhecida como geração do milênio, já começam a ter outras prioridades na hora de comprar o seu primeiro imóvel.

De acordo com uma pesquisa da SunTrust Mortgage, um terço da geração do milênio que já comprou sua primeira casa disse escolhido o local pensando na necessidade de ter espaço para um cachorro.

Foi perguntado aos compradores qual o motivo da compra do imóvel e o terceiro motivo mais citado era o seu cachorro (espaço para o animal). Os pets ficaram inclusive acima das crianças e do casamento.

Os animais de estimação e o conforto dele estão sendo fatores decisivos na hora da compra de um imóvel.

 

“Os milênios (adultos da geração do milênio) têm fortes laços com seus cachorros, então faz sentido que seus familiares peludos estão dirigindo as decisões da compra de uma casa. Para aqueles com cães, o aluguel pode ser mais caro e um aborrecimento, a posse da casa (ser o dono) tira parte do estresse, proporcionando uma melhor situação de vida”, disse Dorinda Smith, CEO da SunTrust Mortgage.

A pesquisa também descobriu que 42% dos adultos da geração Y que ainda não compraram suas casas também disseram que seus cães, ou mesmo a vontade de ter um, seria um fator decisivo na hora de escolher um local para comprar para morar.

Casamento e crianças são fatores que estão atrás dos animais de estimação.

 

Fonte: http://portaldodog.com.br/cachorros/curiosidades/jovens-adultos-da-geracao-y-estao-escolhendo-suas-casas-pensando-no-bem-estar-de-seus-animais/

 

Nós amamos o seu Pet, por isso temos os melhores produtos. Conheça nossa loja.

VEJA MAIS
Como manipular um cachorro com dor?

Como manipular um cachorro com dor?

Muitas pessoas, quando vêem cães precisando de ajuda na rua, sentem vontade de ajudar dando uma assistência devida para o pet. No entanto, muitos têm medo de aproximar-se do animal, temendo ser mordido.

Os cães, assim como as outras espécies animais, quando possuem quaisquer desconfortos, tanto físicos quanto psicológicos, tendem a responder à aproximação de forma agressiva. É importante enfatizar que isso não é uma regra a ser seguida. Alguns animais não respondem violentamente, devido à índole ou a condições de saúde crítica no momento da abordagem, porém a pessoa que for aproximar-se, deve tomar alguns cuidados para que não ocorra nenhum tipo de acidente.

Os cães, ao contrário de outras espécies, possuem como defesa praticamente uma única “arma”: os seus dentes. Quando o animal domiciliado, ou mesmo de rua precisar, de socorro médico imediato, é importante que ao se aproximar do animal, não se tente logo entrar em contato físico com o cão. É importante que se observe, à distância, se há alguma lesão aparente no corpo do animal, como feridas, fraturas externas, entre outras. Os principais fatores que mais causam dor nos cães são: Fraturas ósseas, rompimento de tendões, luxações, dores abdominais e etc.

Antes de entrar em contato físico com o animal, o tutor ou a pessoa que for resgatar deve improvisar algum tipo de transporte para que o animal seja encaminhado para a clínica veterinária. Um tampo de madeira ou um lençol podem ser usados para improvisar uma maca, de modo que o seu corpo fique nivelado. Jamais suspenda o animal de forma desigual, pois isso pode ocasionar uma piora do quadro clínico.

O próximo, e mais importante passo, é a colocação da focinheira, para que não ocorra nenhum tipo de acidente. É nesse momento, quando a pessoa irá tentar aproximar-se do animal, a ocasião certa para perceber a reação do pet. Mesmo o animal não esboçando agressividade, é importante que a focinheira seja colocada. A colocação é bastante simples e deve ser feita de forma rápida e precisa. O tutor vai para trás do animal segurando nos dois pontos de amarração da focinheira, em seguida faz a colocação rápida e prende de forma segura. Em alguns modelos pode-se utilizar um nó. Quando não existe uma focinheira próxima, pode-se improvisar a amarração com cadarço de sapato ou tira de pano.

Depois de ter feito todas as etapas de segurança, deve-se aproximar o lençol ou o tampo de madeira, e com a ajuda de outra pessoa, faz-se a colocação do animal em cima da maca improvisada. É indicado que uma pessoa segure lateralmente no tórax e na cabeça e a outra pessoa no quadril. Caso o animal sinalize dor, deve-se procurar um local que não o incomode. O movimento de suspensão deve ser feito simultaneamente, de forma sincronizada.

Caso a pessoa que for resgatar, ou o tutor do animal, tiver acesso a uma luva de procedimento, deve calçá-la antes de manipular o animal. Essa prática é importante que seja feita tanto em animais de casa quanto de rua, pois ninguém sabe da moléstia que o animal apresenta no momento. Existem doenças que são classificadas como Zoonoses, e podem ser transmitidas para os seres humanos.

 

Fonte: http://portaldodog.com.br/cachorros/saude/como-manipular-um-cachorro-com-dor/

 

Nós amamos o seu Pet, por isso temos os melhores produtos. Conheça nossa loja.

VEJA MAIS
12 passos para proteger seu pet do frio!

12 passos para proteger seu pet do frio!

O inverno ainda não acabou e assim como nós, humanos, cães e gatos sofrem com as temperaturas baixas. Eles se alimentam em maior quantidade, podem ser vítimas de vírus como o da gripe e serem afetados por problemas respiratórios, por exemplo. Veja abaixo 12 dicas especiais para você deixar o seu pet preparado para encarar o frio.

Na hora do banho:

1 – Escolher a hora mais quente do dia para dar banho.

2 – Em casa ou na pet shop, o banho deve ser dado com temperatura morna.

3 – Secar muito bem o seu pet, de preferência com secador de cabelos, para protegê-lo do frio e da umidade.

4 – Proteger bem os ouvidos da água para evitar otite (colocando algodão no ouvido durante o banho).

5 – Se o seu animalzinho não estiver muito sujo, optar pelo banho a seco (com produtos específicos para isso ou lenço umedecido) para prolongar a duração do banho.

Vamos passear:

6 – Ao passear com os cães em dias frios, opte por horários mais quentes, principalmente pela manhã e ao meio dia.

7 – Não deixar o animal tomar chuva ou ficar no vento frio.

8 – Colocar roupas quentes, principalmente em filhotes, cães e gatos de pelo curto e animais idosos.

9 – Para saber se eles estão com frio, perceba que as extremidades, como as patinhas e pontas das orelhas, estarão mais geladas.

Comer, comer!

10 – Assim como os demais membros da família, os pets também comem mais no inverno, não se assuste!

11 – Se o seu animalzinho estiver com problema de sobrepeso, converse com o veterinário sobre a adoção de uma ração menos calórica.

12 – A dica é que uma ração menos calórica seja misturada à ração comum.

 

 

Fonte: http://www.mapaa.org.br/12-passos-para-proteger-do-frio/

 

Nós amamos o seu Pet, por isso temos os melhores produtos. Conheça nossa loja.

VEJA MAIS
Sinais de doenças cardíacas em pets

Sinais de doenças cardíacas em pets

O coração de um cachorro possui estrutura parecida com a do ser humano. Por isso, assim como em humanos, os pets necessitam de alguns cuidados e muita atenção a alguns sintomas, que podem indicar doença cardíaca. Problemas cardiovasculares possuem como fator determinante a idade: quanto mais idosos, mais frágeis ficam os animais. Pensando nisso, a médica veterinária da Nutriave, Ana Paula Có Lisboa, listou alguns sintomas clínicos que podem auxiliar no diagnóstico da doença e, principalmente, no tratamento precoce.

  • Tosse: a tosse é um sintoma comum de muitas doenças, mas é preciso ficar atento à junção dos outros sinais.
  • Fraqueza e isolamento: esses sintomas podem estar aliados a outros, como a perda de apetite e a mudança comportamental. Por isso, vale a pena ficar atento.
  • Problemas respiratórios: se houver a modificação no padrão de respiração do animal, é necessário acender a luz de alerta, pois doenças do coração causam dificuldade para respirar, falta de ar ou respiração acelerada.
  • Perda de apetite: a falta de apetite do cão ou gato é um sintoma comum de muitas doenças, no entanto, associado a outros fatores, torna-se determinante para o diagnóstico da doença cardíaca.
  • Mudança comportamental: indisposição para brincar, cansaço e semblante deprimido também são pequenos sinais que podem indicar uma doença cardíaca. Permaneça sempre em alerta para as mudanças de comportamento do seu pet.
  • Alteração no peso: quando o pet perde muito peso repentinamente, é preciso levá-lo ao veterinário, pois pode ser sinal de uma doença cardíaca já em desenvolvimento. Da mesma forma, o falso ganho de peso, atribuído pelo excesso de líquido retido, devido à insuficiência cardíaca, também é um sinal de alerta para o dono e, quando associado a outros sintomas, podem auxiliar na identificação da doença.
  • Inquietação: a dificuldade em dormir e a inquietação também podem indicativos de doença cardíaca, já que dão sinal de que o pet está sentindo algum incômodo.
  • Perda de consciência: desmaios são sinais graves, mesmo que temporários. Nesses casos, é primordial levar o pet ao médico veterinário imediatamente, pois pode ser sinal de muitas doenças graves.
  • Sintomas graves: inchaços no abdômen (edemas), nas extremidades do corpo e acúmulo de líquido nos pulmões são sintomas sérios e precisam ser acompanhados de perto por um médico veterinário.

É importante destacar que qualquer modificação na rotina do dia a dia do animal deve ser identificada e anotada, para informar ao médico veterinário. Assim, o pet pode realizar os exames necessários e receber o tratamento com antecedência, prevenindo o agravamento da doença.

 

Fonte: http://www.folhavitoria.com.br/geral/blogs/petblog/2017/06/23/sinais-de-doencas-cardiacas-em-pets/

 

Nós amamos o seu Pet, por isso temos os melhores produtos. Conheça nossa loja.

VEJA MAIS